Filmes estranheiros e Martyrs

Eae todo mundo, meu nome é Irio Musskopf, mas caso tu conheça muitos com meu nome e não queira confundir, Black. Meu primeiro post aqui no Nee Wong. Quem me conhece sabe que na maioria das vezes, eu prefiro fugir do “comum” para poder criar meu próprio jeito, isso servindo para quase tudo; então vou tentar fugir o máximo do “normal” nos meus posts, que coisa normal tu encontra em qualquer lugar, só usar o Google.

Uma coisa que eu estou procuro estar sempre ligado é cinema, seja o atual ou o antigo. Há algum tempo atrás eu ouvia comentários para fugir de blockbusters e procurar cinema não-americano. “Putz, que papo de cara metido a crítico é esse?”. E nos últimos meses essa teoria tem sido provada, basta acabar com o teu preconceito e começar com indicações para poder se apaixonar.

Minha indicação de hoje é o francês Martyr (2008), não lançado no Brasil. Não vou dizer que é só para os mais fortes que isso só vai fazer cada um querer medir a sua força e assistir de uma vez, mas é terror psicológico. Provavelmente tu não vai ficar procurando sombras estranhas no quarto quando acordar de madrugada, mas com certeza vai te fazer pensar no mínimo por algumas horas sobre no quanto há de verdade nele e se realmente você não está ficando louco em realmente refletir sobre o tema.
De acordo com o próprio filme:

Mártir: nome,adjetivo. Do grego “marturos”: testemunha.
Também pode ser uma pessoa que morre para cumprir com uma determinada obrigação imaginária, como um talibã que morre em favor da pátria e/ou religião.
O filme conta a história de uma garota de 10 anos (Lucie) que era mantida presa e maltratada sem saber nem o motivo dos agressores. Ela foge e junto com uma amiga (Anna) que faz, 15 anos depois buscam vingança. Destaque para a cena que essa é conseguida, que nem dá tempo de você esperar nada, simplesmente fica de boca aberta. Aos poucos vamos vendo flashbacks, entendendo o real propósito de tudo e é aí que soltamos aquele PQP mental. Não dá para falar mais que isso sem contar spoiler.
Se tu gosta de um terror não para ficar com medo, mas para comer as unhas de apreensão, soltar o PQP mental no fim e refletir sobre o assunto, não tem nada a perder. Vale dizer que o filme levou indicação 18+ na França, sendo o primeiro dessa categoria a ser exibido nos cinemas do país. Como ninguém obedece isso, no mínimo uns 16 para não ser influenciado demais.

PS.: Vou tentar não exagerar tanto em texto na próxima vez. Falei, falei, mas não disse nada do filme (por conta de spoilers).

IMDb

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: