A arte Dadá!

A algum tempo atrás, alguns anos até, estudei na escola (estudei não, apenas li (nem sei se isso fiz direito xD )) alguns movimentos artisticos do perído da Primeira Guerra Mundial até o começo da Segunda. Coisas como Surrealismo, Cubismo, Futurismo, Impressionismo e claro, o que interessa pra esse post, o Dadaísmo. Na época não dei muito valor para o Dadaísmo, o livro até falava pouco dele, e pelo que falava não parecia grande coisa.

No entanto, esses dias navegando pela internet (ou atravessando a nado como faz um verdadeiro macho) por acaso li algo sobre o Dadaísmo e vi que tem muito a ver com o blog e decidimos inaugurar uma categoria nova baseada nessa idéia do dadaísmo. Não será uma categoria apenas dadaísta, mas deixamos esse parte de lado por agora. Vamos entender o movimento em si.

O movimento dadaísta, datado por autores de 1916 à 1921, é uma oposição a Primeira Guerra Mundial. É uma repulsa dos artistas aos campos de batalha, dando à arte todo sua força, destruição e crítica àquela que se opuseram.

Dadaístas como Tizan Tzara, Duchamp, Max Ernest arregaçaram as mangas, e se propuseram a fazer uma ‘antiarte’. Isto, porque simbolizam na arte dadaísta, a anti-racionalidade que operava no mundo (o que pode ser mais racional que uma guerra?? (Nem torcer pro Inter chega a esse ponto))

Uma técnica dadaísta, aprofundada pelos surrealistas, é a da escrita automática, que consiste em escrever sem qualquer preocupação lógica, fazendo uma livre associação de idéias. Dentro deste espírito desconcertante, Tzara dá até mesmo a “técnica” de como se escrever um poema dadaísta:

” Pegue um jornal. Pegue a tesoura. Escolha no jornal um artigo do tamanho que você deseja dar a seu poema. Recorte o artigo. Recorte em seguida com atenção algumas palavras que formam esse artigo e meta-se num saco. Agite suavemente. Tire em seguida cada pedaço um após o outro. Copie conscienciosamente na ordem em que elas são tiradas do saco. O poema se parecerá com você. E ei-lo um escritor infinitamente original e de uma sensibilidade graciosa, ainda que incompreendido do público. “

De todos esses movimentos de vanguarda, o Dadaísmo foi foi o mais radical e demolidor. Propunha-se desmantelar todos os valores artísticos consagrados, fossem quais fossem; não para construir algo em seu lugar, algo julgado melhor ou utopicamente desejável, mas pelo simples fato de pôr abaixo as instituições estabelecidas, as correntes estéticas da moda. Os dadás entendiam que, enquanto a Europa se banhava em sangue, o cultivo da arte não passava de hipocrisia e presunção. Por isso, era necessário ridicularizá-la, agredi-la. Daí provém a irreverência, o deboche, a agressividade e o ilogismo dos textos. Os poetas dadaístas destruíram a rima, o ritmo e principalmente o significado lógico.

Tá, agora tu pode estar se perguntando : “E o Kiko?!?” O fato é que simplesmente adorei essa idéia dadaista, adorei esse movimento cultural diferente e decidi-lo traze-lo, em parte, para o blog. Como assim? Uma das novas categorias criadas vai ser a categoria Arte, e vai servir pra abrigar arte como essa, não algo tradicional e formal, mas sim algo diferente.
Mas ainda não deixei a arte dadá de lado, pretendemos criar alguns poemas dadaístas – baseados na livre associação de idéias – aqui pro blog. Não sei o que vai dar (possivelmente vão ser terríveis xD) mas se tem um jeito de saber, tentando.

Pra terminar, reproduzo uma última poesia dadaísta, de Ludwing Kassak:

Berr… bum, bumbum, bum…
Ssi… bum, papapa bum, bumm
Zazzau… Dum, bum, bumbumbum
Prä, prä, pä… ra, ah-äh, aa
Hahol…

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: